Cururu e siriri: dos lugares tradicionais à circulação institucional na experiência urbana da Grande Cuiabá

  • Carlos Benedito Pinto
  • Yuji Gushiken

Resumo

O presente artigo analisa a inserção do cururu e do siriri, tradições populares da Baixada Cuiabana, Mato Grosso, no contexto de urbanização e metropolização da região. Com base em dados oriundos de uma pesquisa feita no ano de 2013 para produção da dissertação de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da Faculdade de Comunicação e Artes da Universidade Federal de Mato Grosso (ECCO-FCA-UFMT), foca-se da discussão de como esses bens imateriais atualmente circulam no espaço urbano da cidade de Cuiabá-MT, no processo de metropolização e globalização da Baixada Cuiabana, relacionando-se com as cadeias comunicacionais massivas, hibridando-se com novas demandas sociais e ressignificando-se com a experiência urbana.

Biografia do Autor

Carlos Benedito Pinto
Graduado em Letras pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos de Culturas Contemporâneas (ECCO-FCA) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Professor da Educação Básica da disciplina de Língua Portuguesa na Escola Estadual Faustino Dias de Amorim.
Yuji Gushiken

Professor do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea da Universidade Federal de Mato Grosso (PPG ECCO-UFMT/Cuiabá).

Referências

ANDRADE, Mário de. Pequena história da música. São Paulo: Vila Rica, 1972.
BELTRÃO, LUIZ. Folkcomunicação: A comunicação dos marginalizados. Rio de Janeiro: Cortez, 1980.
BARBERO, JESÚS MARTÍN-. Dos Meios às Mediações: Comunicação, Cultura e Hegemonia. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2ª ed., 2001.
CANCLINI, NÉSTOR. As Culturas Populares no Capitalismo. Tradução: Cláudio Coelho. São Paulo: Editora Brasiliense. 1983.
______, NESTOR GARCÍA. Culturas Híbridas – Estratégias para entrar e sair da Modernidade. São Paulo, EDUSP, 3ª ed. reimpressão. 2011.
CASTELLS, MANUEL. A Questão Urbana (tradução Arlene Caetano). Rio de Janeiro: Paz e Terra,1983.
CUIABÁ, SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA – cururu / Coleção Cadernos de Cultura - Secretaria Municipal de Cultura. Cuiabá: Central de Texto, 2006
CUIABÁ, SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA – siriri / Coleção Cadernos de Cultura - Secretaria Municipal de Cultura. Cuiabá: Central de Texto, 2006
INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL – IPAHN. Modo de fazer Viola - de - Cocho. Brasília, DF : Iphan, 2009
MARQUES DE MELO, JOSÉ in. Folkcomunicação – a mídia dos excluídos / Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro: — Rio de Janeiro: A Secretaria, 2007. (114 p). — (Cadernos da Comunicação. Estudos; v. 17)
PEREIRA JÚNIOR, CLEBER ALVES. O cururu como fonte de resistência escrava na Cuiabá imperial. VI Simpósio Nacional de História cultural Escritas da Histórias: Ver - Sentir - Narrar. Universidade Federal do Piaui - UFPI - Teresina-PI, 2012 ISBN: 978-85-98711-10-2
PÓVOAS, LENINE C. História da Cultura Matogrosssense. Instituto Histórico e Geográfico de mato groso. Academia Mato-grossense de Letras. Cuiabá-MT, 1982
RIVERA, Márcia Silva Pereira. Cuiabá: Uma expressão na rede urbana. In: territorialidades nas cidades mato-grossenses. ROMANCINI, Sônia Regina (Org.). Novas Cuiabá: EdUFMT, 2009, v. 1, p. 19-51.
Publicado
2017-04-25
Como Citar
PINTO, Carlos Benedito; GUSHIKEN, Yuji. Cururu e siriri: dos lugares tradicionais à circulação institucional na experiência urbana da Grande Cuiabá. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/16>. Acesso em: 23 set. 2017.
Seção
GT 4 - Folkcomunicação e Desenvolvimento Local