Fruticultura e desenvolvimento local:análise sobre arranjos produtivos locais no Vale do São Francisco

  • Alexandre Marques Machado de Souza Sobrinho
  • Maria Luiza Lins e Silva Pires Universidade Federal Rural de Pernambuco

Resumo

Este artigo discute as dinâmicas produtivas e comerciais do território do Vale do São Francisco, considerando sua inserção no mercado local e global. Neste contexto, procura discutir o dinamismo produtivo dessa região a partir do conceito de Arranjos Produtivos Locais (APLs) e do conceito de Polo de Desenvolvimento. Como foram sedimentadas as bases econômicas para consolidação do polo frutícola do Vale do São Francisco e como os atores sociais, empresas e organizações se inseriram na dinâmica produtiva local? Para responder a essas questões, foram entrevistados produtores e gestores de negócios no campo da fruticultura e técnicos de institutos de pesquisa da região. Prevalece o individualismo e o isolamento entre os diversos atores, pondo em xeque a ideia que identifica a fruticultura da região como um arranjo produtivo local. 

Biografia do Autor

Alexandre Marques Machado de Souza Sobrinho

Sociólogo. Mestre em Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Sociologia. Professora do Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural e Desenvolvimento local (POSMEX) da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE).

Referências

BONANNO, A. Globalização da economia e da sociedade: fordismo e pós-fordismo no setor agroalimentar. In: In: CAVALCANTI, J.S.B. (Org.). Globalização,trabalho, meio ambiente. Mudanças Sócio-econômicas em Regiões Frutícolas para Exportação. 1ed. Recife: Pernambuco, v. 1, 1999, p. 47- 94.

CAVALCANTI, J. S. B. Globalização e agricultura: processos sociais e perspectivas teóricas. Estudo de Sociologia, Rev. do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, vol. 1 (2), p. 105-118, 1995.
______. Globalização e Processos Sociais na Fruticultura de Exportação do Vale do São Francisco. In: CAVALCANTI, J.S.B. (Org.). Globalização,trabalho, meio ambiente. Mudanças Sócio-econômicas em Regiões Frutícolas para Exportação. 1ed. Recife: Pernambuco, v. 1, 1999, p. 123-170.
______. Globalização e ruralidade. In: WANDERLEY, M. de N. B. (org.). Globalização e desenvolvimento sustentável: dinâmicas sociais rurais no Nordeste brasileiro. São Paulo: Polis; Campinas: Ceres, 2004, p. 17-32.
_____. Dinâmicas sociais e os novos desafios da globalização, circulação de mercadorias, populações e capitais. In: SILVA, A.; CAVALCANTI, J. S. B; WANDERLEY, M. de N. B. Diversificação dos espaços e dinâmicas territoriais no Nordeste do Brasil. João Pessoa: Zarinha Centro de Cultura, v. 1, 2009, p. 115-138.
CORREIA, R. C; ARAÚJO, J.L.P. A fruticultura como vetor de desenvolvimento: o caso dos municípios de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA), 2000. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/134327/1/OPB427.pdf.
DELGADO, N. G.; BONNAL, P.; LEITE, S.P. Desenvolvimento territorial: articulação de políticas públicas e atores sociais. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: http://oppa.net.br/acervo/publicacoes/IICA-OPPA-Desenvolvimento_territorial-Articulacao_de_politicas_publicas_e_atores_sociais.pdf.
GIMENÉZ C.J. Rubén; SERRANO C. Vicente. Contribuyen las cooperativas de reciente creación al desarrolho local: uma visión desde los princípios cooperativos. Revista Venezuelana de Economia Social Cayapa. Ano 7, n. 013, 1° semestre de 2007. Mérida, Venezuela, 2007. http://www.saber.ula.ve/bitstream/123456789/18757/2/articulo1.pdf.
LEÃO, E. L.L.; MOUTINHO, L.M.G. Arranjo produtivo local da fruticultura irrigada do Vale do Submédio do São Francisco - Pernambuco/Bahia: fluxos comerciais e dinamismo local. 2014. Disponível em: http://www.coreconpe.org.br/iiienpecon/artigos/4enpecon2014.pdf.
LEÃO, E. L.L.; MOUTINHO, L.M.G. O arranjo produtivo local de fruticultura irrigada do Vale do Submédio do São Francisco como objeto de política. Race, Joaçaba, v. 13, n. 3, set./dez. 2014, p. 829-858. Disponível em: http://editora.unoesc.edu.br/index.php/race.
LIMA, D. M. C. de. Cooperativas e desenvolvimento territorial: o caso da cooperativa Pindorama. Alagoas. Editora Universitária: Recife, 2012.
MACHADO SOBRINHO, A. M de S. O cooperativismo agrícola e o mercado de uva no Vale do São Francisco: a experiência da COPEXFRUIT. Monografia – UFRPE, Jan/2015.
MAILLAT, D. Globalização, meio inovador e sistemas territoriais de produção. Rev. Internacional de Desenvolvimento Local. Vol. 3, n° 4. p. 9-16, mar/2002.
NAMORADO, R. Cooperativismo – história e horizontes. Oficina CES n°278, 2007.
ORTEGA, A. C.; SOBEL, T. F.. Desenvolvimento territorial e perímetros irrigados: avaliação das políticas governamentais implantadas nos perímetros irrigados Bebedouro e Nilo Coelho em Petrolina (PE). Rev. Planejamento e Políticas Públicas (PPP), n° 35, jul/dez. 2010.
PIRES, E.. L.S.; MÜLLER, G.; VERDI, A. R. Instituições, territórios e desenvolvimento loca: delineamento preliminar dos aspectos teóricos e morfológicos. Rev. Geografia, v. 31, n° 3, set/dez. Rio Claro, 2006, p. 437-454.
PIRES, M. L. L. e S. Cooperativismo e globalização: artificialização da natureza e sofisticação dos alimentos. Tese (Concurso de Professor Titular). UFRPE, 2016.
_____; CAVALCANTI, J. S. B. Cooperativismo, fruticultura e dinâmicas sociais rurais: Uma nova onda de cooperativas no Vale do São Francisco. In: SILVA, A.; CAVALCANTI, J. S. B.; WANDERLEY, M. de N. B.. Diversificação dos espaços e dinâmicas territoriais no Nordeste do Brasil. João Pessoa: Zarinha Centro de Cultura, 2009, p. 115-135.
______;CAVALCANTI, J. S. B. Imagens da fruticultura do Vale do São Francisco: Cooperativas, reinvenção de estratégias e criação de oportunidades em tempos de enfrentamento da crise global. In: CRAVIOTTI, C. (coord). Tramas productivas y agentes sociales en la fruticultura globalizada. Buenos Aires, Miño y Dávila, 2012, p. 223-246.
SANTOS, dos G.A.G.; DINIZ, E.J.; BARBOSA, E.K. Aglomerados, arranjos produtivos locais e vantagens competitivas locacionais. In: Arranjos produtivos locais e Desenvolvimento. BNDS, 2004. Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Arranjos+produtivos+locais+e+Desenvolvimento.&oq=Arranjos+produtivos+locais+e+Desenvolvimento.&aqs=chrome..69i57j0l5.571j0j4&sourceid=chrome&es_sm=93&ie=UTF-8.
SILVA, P. G. da. Articulação dos interesses públicos e privados no polo Petrolina-PE/Juazeiro-BA: em busca de espaço no mercado globalizados de frutas frescas. Tese de Doutorado da Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2001.

VERDI, A.R.; PIRES, E.L.S. As dinâmicas territoriais na globalização: aspectos conceituais e metodológicos. Geosul, Florianópolis, v. 23, n. 46, jul./dez. 2008, p. 33-53. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/viewFile/2177-5230.2008v23n46p33/11724.
VITTI, A.; BOTEON, M. Análise da competitividade da fruticultura brasileira frente ao mercado mundial. XLVI Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Rio Branco, 2008.
Publicado
2017-04-26
Como Citar
SOBRINHO, Alexandre Marques Machado de Souza; PIRES, Maria Luiza Lins e Silva. Fruticultura e desenvolvimento local:análise sobre arranjos produtivos locais no Vale do São Francisco. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/18>. Acesso em: 23 set. 2017.
Seção
GT 4 - Folkcomunicação e Desenvolvimento Local