Espaços de representação e as representaçõesdo espaço no maior São João do Mundo

  • Tiago Fernandes Alves
  • Fernanda Gabriela Gadelha Romero

Resumo

O presente artigo busca analisar as sociabilidades entre agentes e grupos sociais nos espaços do Parque do Povo na festa de São João de Campina Grande – PB. As sociabilidades foram percebidas como processos de reelaborações espaciais em contraponto às configurações estabelecidas pelos agenciadores culturais. Através do aporte teórico da folkcomunicação e folkmídia, buscamos entender o modo pelo qual os agentes e grupos sociais ressignificaram os espaços renomeando os lugares, comidas e bebidas típicas de acordo com os contextos espaço-temporais de seus usos e consumos. Assim, percebemos a relação dialética entre os espaços de representação e as representações do espaço como ferramenta analítica para compreender a produção do espaço em sua reconfiguração tática. Metodologicamente, utilizamos a pesquisa bibliográfica e a observação participante, o que nos permitiu compreender os processos de ressignificação/ressemantização dos espaços/lugares promovidos pelos grupos e agentes sociais.

Biografia do Autor

Tiago Fernandes Alves

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia na UFPB. 

Fernanda Gabriela Gadelha Romero

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos da Mídia da UFRN. 

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Cultura: rebelde e ingovernável. In: Vida Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2009, p.71-89.
BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: um estudo dos agentes e dos meios populares de informação de fatos e expressão de idéias. Porto Alegre: EDIPUCCRS, 2001.
BENJAMIN, Roberto. A folkcomunicação no contexto de massa. João Pessoa: Ed. Universitária/UFB, 2001.
BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2011.
CERTEAU, Michael de. A Invenção do Cotidiano. Petrópolis: Vozes, 2012.
FRÚGOLI JÚNIOR, Heitor. Sociabilidade Urbana. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.
HOHLFELDT, Antônio. Folkcomunicação: positivo oportunismo de quase meio século. in: Anuário Unesco/Umesp de Comunicação para o Desenvolvimento Regional, v. 1, n. 5, São Bernardo do Campo, SP, 2002
LAHIRE, Bernard. Esboço de uma teoria do ator plural. In: Homem Plural: os determinantes da ação. Petrópolis: Vozes, 1998, p.15-100.
LUYTEN, Joseph. Folkmídia, nova acepção da palavra. Trabalho apresentado no XXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom 2002)
RIBEIRO, Gustavo Lins. Antropologia da Globalização: circulação de pessoas, mercadorias e informações. Texto apresentado como uma conferência no Instituto de Altos Estudios Sociales da Universidad Nacional de General San Martín, Buenos Aires, 16 de maio de 2008. Disponível em: http://www.dan.unb.br/images/doc/Serie435empdf.pdf
SIMMEL, Georg. Cuestiones Fundamentales de Sociología. Barcelona, Espanha: Gedisa, 2002.
SOUZA, Maria Isabel A.R. “A Indústria Cultural e a folkmídia: um estudo de caso de O
Auto da Compadecida”. IN Revista Acadêmica do Grupo Comunicacional de São
Bernardo. Ano 1 – no. 1 – (janeiro-junho 2004). Disponível em:
www.metodista.b/unesco/GCSB/index.htm
WACQUANT, L. (2002):
Publicado
2017-04-26
Como Citar
ALVES, Tiago Fernandes; ROMERO, Fernanda Gabriela Gadelha. Espaços de representação e as representaçõesdo espaço no maior São João do Mundo. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/25>. Acesso em: 20 set. 2017.
Seção
GT 2 - Morfologia da Folkcomunicação: Gêneros e Formatos