Música na cultura ‘underground’: Precariedade e improviso nos registros sonoros da cena metaleira em Cuiabá, Brasil

  • Iuri Gomes Barbosa
  • Yuji Gushiken

Resumo

No modelo teórico da “comunicação como cultura”, proposto por Venício Artur de Lima (2001), este artigo aproxima a teoria da Folkcomunicação proposta por Luiz Beltrão (1980) das maneiras de fazer (DECERTEAU, 2008) que constituem uma cena musical (BENNETT, 2004; STRAW, 2012), em especial no que se refere aos registros sonoros da cena metaleira em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Compreender o processo de produção dos registros da cena metaleira possibilita visualizar como se dá a relação entre uma cultura juvenil e o espaço urbano na qual ela circula e se reproduz, bem como lança luz sobre maneira alternativas de construção de uma memória sonora. Como pano de fundo, apresenta-se de que maneira as práticas socioculturais e valores morais das décadas de 1960-1970 reverberam nos estratagemas das bandas underground em Cuiabá, localizada entre o cerrado e o Pantanal Mato-Grossense.

Biografia do Autor

Iuri Gomes Barbosa

Professor do Curso de Jornalismo da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat/Alto Araguaia). Doutorando em Estudos de Cultura Contemporânea pela Universidade Federal de Mato Grosso (ECCO-UFMT/Cuiabá). 

Yuji Gushiken
Professor do Departamento de Comunicação Social e do Programa de Pós - Graduação (Mestrado e Doutorado) em Estudos de Cultura Contemporânea da Universidade Federal de Mato Grosso (PPG ECCO -UFMT/Cuiabá).         

Referências

BELTRÃO, L. Folkcomunicação: A comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez, 1980.
BENNETT, Andy. Consolidating the music scenes perspective. In: UK: Poetics número 32, pg.
223-234, 2004. Disponível em: < https://www.sfu.ca/cmns/courses/2011/488/1-
Readings/Bennett%20Consolidating%20Music%20Schenes.pdf > Acesso em 01 de setembro de
2016.
CARDOSO FILHO, Jorge; JANOTTI JÚNIOR, Jeder. A música popular massiva, o
mainstream e o underground trajetórias e caminhos da música na cultura midiática. In: Anais do
XXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2006. Disponível em:
http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2006/resumos/R1409-1.pdf. Acesso em 10 de
agosto de 2014.
CALDAS, Waldenyr. A cultura da juventude de 1950 a 1970. São Paulo: Musa Editora, 2008.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 14. ed. Tradução de
Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
CHACON, Paulo. O que é rock. São Paulo: Brasiliense, 1982.
JAMESON, Frederic. Periodizando os anos 60. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.).
Pós-modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1991, p. 81-126.
JANOTTI Junior, Jeder. Entrevista – Will Straw e a importância da ideia de cenas musicais nos
estudos de música e comunicação. In: Revista da Associaçnao Nacional dos Programa de Pós-
Graduação em Comunicação. E-compós, Brasília, v.15, n.2, mai/ago, 2012.
LIMA, Venício Artur de. Mídia: Teoria e política. São Paulo: Editora Fundação Perseu
Abramo, 2001.
MARTEL, Frédéric. Mainstream: A guerra global das mídias e das culturas. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2012.
MAZZOLENI, Florent. As raízes do rock. Tradução Andrea Gottlieb. 1.ed. São Paulo:
Companhia Editora Nacional, 2012.
RODRIGUES, Maria Benedita Deschamps. Movimento musical em Cuiabá. Cuiabá: Ed. da
Autora, 2000.
SMITH, H. Herbert. Do Rio de Janeiro a Cuyabá – notas de um naturalista. São Paulo:
Companhia Melhoramentos, 1992.
STRAW, Will. Cultural Scenes and the
Publicado
2017-04-18
Como Citar
BARBOSA, Iuri Gomes; GUSHIKEN, Yuji. Música na cultura ‘underground’: Precariedade e improviso nos registros sonoros da cena metaleira em Cuiabá, Brasil. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/28>. Acesso em: 23 nov. 2017.
Seção
GT 2 - Morfologia da Folkcomunicação: Gêneros e Formatos