Quilombos semióticos: corpo, jogo e comunicação na cultura

  • Felipe Gibson Cunha

Resumo

A proposta do artigo é traçar caminhos para investigar o funcionamento de sistemas de comunicação nas comunidades quilombolas do Rio Grande do Norte. Para isso, o estudo propõe a análise semiótica das manifestações culturais quilombolas, destacando as potencialidades dos corpos e jogos na produção e comunicação de mensagens e significados, sobretudo aqueles vinculados aos conceitos de negritude e quilombo em seus usos políticos na autoafirmação da identidade negra e quilombola. O corpo quilombola, enxergado enquanto mídia primária e texto cultural, mostra-se capaz de armazenar informações contidas em sua história e agregar novos significados, que no contexto político quilombola, geram novas mensagens em processos que se intensificam quando esse corpo acessa, junto com outros corpos, a esfera lúdica do jogo.

Biografia do autor

Felipe Gibson Cunha

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Estudos da Mídia (PPGEM), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Os quilombos e as novas etnias. In: O’DWYER, Eliane Cantarino (Org.). Quilombos: Identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV e ABA, 2002.
ARRUTI, José Maurício. Quilombos. In: PINHO, Osmundo; SANSONE, Lívio (Orgs.). Raça: Novas perspectivas antropológicas, Salvador: EDUFBA, 2008.
BAITELLO, Norval. A mídia antes da máquina. JB online, Caderno Idéias, sábado, 16/10/1999.
BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1987.
BARROS, José D'Assunção. A construção social da cor e a desconstrução da diferença escrava: reflexões sobre as ideias escravistas no Brasil colonial. OPSIS, Catalão, v. 10, n. 1, 2010.
BARTOLOMÉ. Miguel A. As etnogêneses: velhos atores e novos papéis no cenário cultural e político. Mana, v. 12, n. 1, 2006.
BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez, 1980.
______. Folkcomunicação: teoria e metodologia. Cátedra Unesco/UMESP, 2004.
BETH, Hanno y PROSS, Harry: Introducción a la ciencia de la comunicación, Editorial Anthropos, Barcelona, n. 5, 1990.
BYSTRINA, Ivan. Tópicos de semiótica da cultura. São Paulo: PUC/SP, 1995.
CAMPELO, Cleide Riva. Caleidoscorpos: um estudo semiótico do corpo e seus códigos. São Paulo: Annablume, 1996.
CAVIGNAC, Julie Antoinette. Os Troncos Velhos e os Quilombinhos: memória genealógica, território e afirmação étnica em Boa Vista dos Negros (RN). Revista Ruris, v. 2, n. 2, 2008.
CUNHA, Felipe Gibson. Território, cultura e estratégias discursivas da identidade negra e quilombola. In: XXIX CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, São Paulo, 2016, Anais. Disponível em: . Acesso em: agosto de 2016.
HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Perspectiva: São Paulo, 2000.
KIRCHOF, Edgar Roberto. Yuri Lotman e a Semiótica da Cultura. Prâksis (FEEVALE), v. 2, 2010.
LINS, Cyro H. de Almeida. "O zambê é nossa cultura": o coco de zambê e a emergência étnica em Sibaúma, Tibau do Sul-RN. 2009. 107 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Departamento de Antropologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.
LOTMAN, Yuri; USPENSKI, Boris. On the semiotic mechanism of culture. New Literary History, Baltimore, v. 9, n. 2, 1978.
______. La semiótica de la cultura y el concepto de texto. Entretextos: Revista Electrónica de Estudos de la Cultura, n. 2, 2003.
MACHADO, Irene. Cultura em campo semiótico. Revista USP, São Paulo, n. 86, 2010.
MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Quilombos do Brasil: segurança alimentar e nutricional em territórios titulados. Cadernos de Estudo: Desenvolvimento Social em Debate, n. 20, Brasília, 2014. Disponível em: . Acesso em: novembro de 2016.
MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. São Paulo: Ática, 1988.
PEREIRA, Camila da Silva. Política de regularização de terras quilombolas: identidades e territorialidades negras em Portalegre-RN. 2014. 157 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Departamento de Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.
RISÉRIO, Antônio. Em defesa da semiodiversidade, Revista Galáxia, n. 3, São Paulo: EDUC, 2002.
SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. Sistema de Monitoramento das Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Disponível em: . Acesso em dezembro de 2016.
SODRÉ, Muniz. O Terreiro e a Cidade. Petrópolis: Vozes, 1988.
______. Sobre a identidade brasileira. Revista Científica de Información y Comunicación, Sevilha, n.7, 2010.
Publicado
2017-04-18
Como Citar
CUNHA, Felipe Gibson. Quilombos semióticos: corpo, jogo e comunicação na cultura. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/29>. Acesso em: 18 nov. 2017.
Seção
GT 2 - Morfologia da Folkcomunicação: Gêneros e Formatos