A música como forma de comunicação de Grupos Marginalizados: um estudo da Folkcomunicação

  • Eliana Maria Sousa Ferreira
  • Lucas Casemiro de Sousa
  • Maria Érica de Oliveira Lima

Resumo

A Folkcomunicação pode ser definida como o conjunto de procedimentos de intercâmbio de informações, ideias, opiniões e atitudes dos públicos marginalizados urbanos e rurais, ou seja, visa valorizar as produções populares. O objeto de estudo do presente trabalho é a música, aqui analisada como instrumento utilizado pelos grupos marginalizados na tentativa de fazer comunicação alternativa à mídia massiva ou, uma vez pertencendo a ela, consolidarem-se. Sendo assim, buscou-se representações de movimentos musicais que coubessem na definição de cada grupo trabalhado pelo artigo, para em seguida analisá-los, utilizando a pesquisa bibliográfica com uma análise folkcomunicacional. Ao falar para uma audiência específica, gêneros musicais de grupos marginalizados utilizam a música para informar, criticar e, além de outras funções, legitimar ideias que têm do mundo e de si mesmos.

Biografia do Autor

Eliana Maria Sousa Ferreira

Graduanda em Comunicação Social - Jornalismo pela UFC – Universidade Federal do Ceará.

Lucas Casemiro de Sousa

Graduando em Comunicação Social - Jornalismo pela UFC – Universidade Federal do Ceará. E-mails.

Maria Érica de Oliveira Lima

Docente do curso de Comunicação Social – Jornalismo na UFC – Universidade Federal do Ceará. 

Referências

BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: um estudo dos agentes e dos meios populares de informação de fatos e expressão de ideias. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014;
BRASIL247. Música de rapper ironiza Pimenta da Veiga. 2014. Sítio: brasil247. Disponível em: . Acesso: 07/2016;
CORNIANI, Fabio Rodrigues. Rap: Manifestação popular urbana. Anais do XXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Salvador/BA – 1 a 5 Set 2002;
CORNIANI, Fabio. Afinal, o que é Folkcomunicação. São Bernardo do Campo: Sítio da Universidade Metodista de São Paulo, 2005;
FLAVIO RENEGADO VEVO. Coisas Desse Tipo. 2014. Disponível em: . Acesso: 07/2014;
FREUD, Sigmund. O mal-estar na cultura. Tradução de Renato Zwick; revisão técnica e prefácio de Márcio Seligmann-Silva. – Porto Alegre, RS: L&PM, 2013;
G1. Portal G1 da Globo.com. Bispo encerra greve de fome contra transposição. 2007. Sítio: g1.com. Disponível em: http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL235364-5601,00-BISPO+ENCERRA+GREVE+DE+FOME+CONTRA+TRANSPOSICAO.html. Acesso: 07/2016;
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do Trabalho Científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. – 6. ed. – São Paulo: Atlas, 2006;
RIO DE JANEIRO (Cidade). Secretaria Especial de Comunicação Social. Folkcomunicação – a mídia dos excluídos. Rio de Janeiro: Cadernos da Comunicação v. 17, 2007;
SANTOS, Aparecida Ribeiro dos; MENDOZA, Babette Almeida Prado; ELIAS, José. O Rap reinterpretando na Rima o dia a dia da Comunidade. Anais do XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – BH/MG – 2 a 6 Set 2003;
SILVA, André Luiz; SILVA, Priscila Maíla. Folkcomunicação: o discurso da cultura popular nordestina através da poesia oral dos repentistas. Revista Temática. Ano VII, n. 10 – Outubro/2011;
SILVA, Damaris et al. Folkcomunicação e Hip Hop: A Difusão da Cultura Marginal. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 5, n. 2, 2013.
THADEU FILMANGENS. A Voz da Transposição - Valdir Teles. 2008. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=SrYSU3Mv5dc>. Acesso em: 07/2016.
Publicado
2017-04-18
Como Citar
FERREIRA, Eliana Maria Sousa; SOUSA, Lucas Casemiro de; LIMA, Maria Érica de Oliveira. A música como forma de comunicação de Grupos Marginalizados: um estudo da Folkcomunicação. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/30>. Acesso em: 20 set. 2017.
Seção
GT 2 - Morfologia da Folkcomunicação: Gêneros e Formatos