Jornal Corredor: um estudo inicial de Folkjornalismo no Cerrado Matogrossense

  • Marcela Fernanda Pavão
  • Fábio Faria Pires
  • Marcos A. Santos Silva
  • Weverton Velasco David
  • Lawrenberg Advíncula da Silva

Resumo

Ao refletir sobre o conceito do “tático” na formação profissional em Jornalismo no interior de Mato Grosso, o presente artigo constitui ponto-de-partida para estudos pioneiros no cerrado brasileiro acerca da relação das contribuições da teoria beltraniana na produção laboratorial de jornais murais, em condições semirrurais de urbanização. Em outras palavras, o esforço aqui está em pensar um ensino de Jornalismo no contexto das rurbanidades, tendo por objeto de análise o perfil folkcomunicacional das “improvisações” demandadas na concepção laboratorial da primeira edição do jornal Corredor, desenvolvido com a turma do terceiro semestre de Jornalismo da disciplina de Planejamento Gráfico, ao longo do segundo semestre de 2016. Entende-se por improvisações: o uso alternativo de softwares de editoração eletrônica, a simulação de fluxo produtivo, produção gráfica e até a própria sintaxe visual. E os resultados apresentados, além de revelarem a aproximação destes processos gráfico-editoriais com práticas rudimentares de comunicação, pretendem sugerir medidas alternativas para a amenizar o ônus tecnológico e de infraestrutura ao qual a maioria dos cursos de Comunicação no interior do Brasil está submetida.

Biografia do Autor

Marcela Fernanda Pavão

Estudante de Graduação 4° semestre do curso de Jornalismo da Unemat.

Fábio Faria Pires

Estudante de Graduação 4º semestre do Curso de Jornalismo da Unemat.

Marcos A. Santos Silva

Estudante de Graduação 4° semestre da Unemat.

Weverton Velasco David

Estudante de Graduação 4° semestre da Unemat.

Lawrenberg Advíncula da Silva

Professor do Curso de Jornalismo da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT).

Referências

AMARAL, Márcia Franz. Jornalismo Popular. São Paulo: Contexto, 2006.
_________________Lugares de fala do leitor no diário gaúcho. Porto Alegre, 2004. 270 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação). Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, UFRGS, Porto Alegre (RS), 2004.
ANGRIMANI, Danilo. Espreme que sai sangue: um estudo do Sensacionalismo na imprensa. São Paulo: Summus, 1994.
BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: um estudo dos agentes e dos meios populares de informação de fatos e expressão de idéias. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.
BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: A comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez, 1980.
BOURDIEU, Pierre. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura, 2003.
COLLARO, A. C. Projeto gráfico – Teoria e Prática da Diagramação. 3. ed. São Paulo: Summus, 2002.
GIANNOTTI, V. Muralhas da Linguagem. Rio de Janeiro: Mauad, 2004
GONÇALVES, L. Jornalismo Esportivo nas redes sociais em MT: um estudo netnográfico da cobertura do futebol via facebook. Trabalho de Conclusão de Curso em Jornalismo: Unemat, 2012.
MARQUES, L. H. Teoria e prática de redação para jornalismo impresso. Bauru: EDUSC, 2003.
MEYER, P. Os jornais podem desaparecer? São Paulo: Contexto, 2007.
NOBLAT, R. A arte de fazer um jornal diário. 7. ed.São Paulo: Contexto, 2010.
NORDELLES, B., MARTINS, M., O folhjornalismo como prática profissional: um modelo de ação na imprensa popular e na imprensa de vanguarda. Estudo jornalismo e mídia, v.12, n.1, janeiro a junho,2015.
RIBEIRO, M. Planejamento visual gráfico. 10. ed. Rev. e Amp. Brasília: LGE Editora, 2007.
SODRÉ,N,W. História da imprensa no Brasil, São Paulo, ed.Maud.1999.
TRIPP, D. Pesquisa-ação: Uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005
VILLAS-BOAS, André. Produção gráfica para designers. 3. ed. Rio de Janeiro: 2AB, 2010.
Publicado
2017-04-18
Como Citar
PAVÃO, Marcela Fernanda et al. Jornal Corredor: um estudo inicial de Folkjornalismo no Cerrado Matogrossense. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/33>. Acesso em: 23 set. 2017.
Seção
GT 2 - Morfologia da Folkcomunicação: Gêneros e Formatos