Folkmídia e o Cinema Brasileiro: uma análise do filme Jeca Tatu (1959)

  • Maria Isabel Amphilo
  • Sonia Regina Soares Cunha

Resumo

Este artigo apresenta um recorte empírico de uma investigação mais ampla, em desenvolvimento, sobre as contribuições do Cinema Brasileiro para a construção de uma identidade nacional. Embasados na teoria Folkmidiática apresentamos um estudo sobre o filme brasileiro Jeca Tatu, produzido pela PAM, dirigido por Milton Amaral e encenado por Amâncio Mazzaropi, na década de 1950. A metodologia aplicada trabalha interdisciplinarmente os métodos de análise de conteúdo e produção de sentido da peça audiovisual, bem como se apoia nas contribuições teóricas de diversos autores, em especial destacamos a teoria Beltraniana da Folkcomunicação que permite investigar cientificamente as apropriações do folclore e da cultura popular pela mídia hegemônica, em especial pelo cinema. O filme Jeca Tatu apresenta com delicada sutileza, a diversidade cultural brasileira, bem como os regionalismos e as manifestações culturais através dos trejeitos gestuais, do cenário, do figurino e, em especial, pelos diálogos travados entre as personagens, que ressaltam questões importantes da época. Assim, podemos considerar que aqueles agentes sociais elaboram suas identidades a partir das relações cotidianas com os grupos sociais em que participam e interagem coletivamente, podendo portanto, participar de distintas e múltiplas identidades culturais, que podem, ou não necessariamente, estar atrelados ao seu papel social, como ator social.

Biografia do Autor

Maria Isabel Amphilo

ós-doutoranda em Comunicação Social, na Universidade Metodista de São Paulo. Bolsista CAPES/PNPD.

Sonia Regina Soares Cunha

3Doutoranda em Comunicação pela Universidade de São Paulo. 

Referências

ALESSI, Gil. Sob pressão, gestão Doria antecipa programa de grafite e se contradiz sobre 23 de Maio. In: El País, Cultura, Arte Urbana, SP, 26 jan 2017. Disponível em: http://brasil.elpais.com/brasil/2017/01/26/cultura/1485454560_642798.html Acesso em: 2 abril 2017
AMPHILO, Maria Isabel. O Auto da Compadecida: da cultura popular à cultura de massa – uma análise a partir da folkmídia. SBC: UMESP, 2003. Dissertação de Mestrado defendida em 18.fev.2003.
BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação. Um estudo dos agentes e dos meios populares de informação de fatos e expressão de idéias. EDUPURS e FAMECOS, Coleção. Comunicação nº 12, Porto Alegre, 2001.
BENJAMIN, R. Folkcomunicação: no contexto de massa. João Pessoa, PB: Ed. CCHLA/UFPB, 2000.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. RJ: Bertrand Brasil. 2002.
_____ Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.
CÂMARA CASCUDO, Luís. Dicionário do Folclore Brasileiro. 1998.
CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
CERTEAU, Michel de. La invención de lo cotidiano. 1. Artes de hacer. El oficio de la História. Ed. UNIBERO, Mexico, 2000.
CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. SP: EDUSC, 1999.
GARCIA CANCLINI, Nestor & FERIA, Ernesto Piedras. Las indústrias culturales y el desarrollo de México. Mexico: Siglo XXI - FLACSO, 2006.
GIMENEZ MONTIEL, Gilberto. La violencia en México a la luz de las ciencias sociales. Instituto de Investigaciones Sociales. UNAM, 2016.
GONZÁLEZ, Jorge A. Más (+) Cultura (s): ensayos sobre realidades plurales. México: Pensar la cultura, 1994.
Publicado
2017-04-18
Como Citar
AMPHILO, Maria Isabel; CUNHA, Sonia Regina Soares. Folkmídia e o Cinema Brasileiro: uma análise do filme Jeca Tatu (1959). Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/38>. Acesso em: 23 set. 2017.