Folkcomunicação e informações sobre o Alzheimer no Brasil: diálogos interdisciplinares e perspectivas deiIncremento na Saúde Pública

  • Palomma da Silva Alves
  • Nathália Penaforte
  • Marcele Cristiane Monteiro de Fraga
  • Pedro Paulo Procópio
  • Marcos Ely de Almeida Andrade

Resumo

A doença de Alzheimer é uma enfermidade degenerativa que provoca o declínio das funções cognitivas e é a forma mais comum de demência entre os idosos. A doença de Alzheimer é uma desordem cerebral que afeta seriamente a capacidade da pessoa para realizar suas atividades diárias, desta forma a família e a sociedade devem estar bem informadas sobre os cuidados. A mídia tem um papel fundamental na veiculação das representações sociais. Ao transmitir constantes informações. A comunicação acontece em todos os setores da sociedade, incluindo aqueles não midiatizados. A mídia é um agente social que deve contribuir para o sistema de saúde, preocupado com o acesso à informação pelas comunidades marginalizadas. O presente artigo tem o objetivo de mostrar a relação entre a Folkcomunicação e a doença de Alzheimer. O artigo baseia-se em pesquisas qualitativas e de caráter exploratório, buscando referências em autores como: Beltrão, Lazarsfeld e Bottino. Assim, pode-se observar a importância da folkcomunicação na propagação de informações sobre a doença de Alzheimer de forma mais simples e rápida nas comunidades do Brasil.

Biografia do Autor

Palomma da Silva Alves

Graduanda do 3º Período de Enfermagem , pela Faculdade de Comunicação, Tecnologia e Turismo de Olinda (Facottur).

Nathália Penaforte

Nathália Penaforte. Graduanda do 3º Período de Nutrição , pela Faculdade de Comunicação, Tecnologia e Turismo de Olinda (Facottur). <>

Marcele Cristiane Monteiro de Fraga

Período de Nutrição, pela Faculdade de Comunicação, Tecnologia e Turismo de Olinda (Facottur).

Pedro Paulo Procópio

Pós-Doutor, Doutor e Mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco, jornalista profissional com especialização em jornalismo e crítica cultural também pela UFPE; Coordenador de Pesquisa e Extensão da Faculdade Integrada de Pernambuco (FACIPE), docente de cursos de graduação e pós-graduação dessa IES, além de membro do Núcleo Interdisciplinar de Pós-Graduação (NUFA). Professor também da Faculdade Damas da Instrução Cristã. E-mails: pedro_procopio@facipe.edu.br

Marcos Ely de Almeida Andrade

Doutor em Tecnologias Energéticas Nucleares (UFPE); biomédico; docente de cursos de graduação da Faculdade Integrada de Pernambuco (FACIPE), além de membro do Núcleo Interdisciplinar de Pós-Graduação (NUFA). 

Referências

de Alzheimer. RBCEH, Passo Fundo, v. 5, n. 1, p. 70-79, jan./jun. 2008.
BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: teoria e metodologia. São Bernardo do Campo: UMESP, 2004.
BOTELHO, Daira. Pesquisa em Folkcomunicação e a Sociedade Midiática, Asociación Latinoamericana de Investigadores de La Comunicación – ALAIC, Bogotá, Colômbia ; 2011.
BOTTINO, C. Reabilitação Cognitiva em pacientes com Doença de Alzheimer. Arq. Neuropsiquiatr. V. 60, n.1, p. 70-79, 2002.
MELO, José Marques de. In: Folkcomunicação: contribuição brasileira à teoria da comunicação. No livro: Folkcomunicação: Resistência cultural na sociedade globalizada. 2004, p.16.
CARVALHO, S. Ouvidoria na Saúde Pública: Um Olhar para o Cidadão, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo; 2013.
CASTELLS, M. A Sociedade em Rede (A era da informação: economia, sociedade e cultura. v.1). São Paulo: Paz e Terra, 9ª edição, Trad. Roneide Venancio Majer, 2006.
CHARCHAT, H. Declínio da capacidade cognitiva durante o envelhecimen to. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. V. 27, n.1, p. 79-82, 2005.
CIRINO, José et al. Comunicação e Saúde: a mídia como agente social de saúde1, Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, Região Centro-Oeste – Campo Grande; 2015.
COHEN, N. e WELLER, R.O. Neuropathology ofdementias. Advances in clinical neurosciences and rehabilitation, 5(5):18-21, 2005.
CORNIANI, F. Afinal, o que é folkcomunicação? Disponível em: HTTP// www2.metodista.br/unesco/agora/pmc_acervo_pingos_fabio.pdf
CUMMINGS, J. L. e COLE, G. Alzheimer disease. Journal of American Medica! Association, 287: 2335-2338,2002.
FELIPE, L. A mídia e seu poder de comunicação no processo da promoção em saúde. Disponível em: http:// www.webartigos.com /autores /luciananfelipeig. com.br. 2011.
FERNANDES, Mariana et al. Folkcomunicação: Análise Das Influências Do Conceito Desde Sua Gênese Até a Contemporaneidade. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação ; Bauru - SP, 2013.
FRIDMAN, C. Alterações genéticas na doença de Alzheimer. Rev. Psiq. Clín. V. 31, n.1, p. 19-25, 2004.
GOMES, Gleidson. Folkcomunicação e mídia radical alternativa: uma reflexão sobre as teorias de Luiz Beltrão e John Downing, Revista Internacional de Folkcomunicação Volume 2; 2010.
GOMES, R. A mídia e a saúde na Fiocruz: O canal Saúde em Foco. Dissertação de Mestrado. Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Rio de Janeiro, 2010.
GUAZINA L. O conceito de mídia na comunicação e na ciência política: Desafios interdisciplinares. Revista Debates, Porto Alegre, v.1, 2007.
JACQUES, B. What is dementia. 3.ed. Oxford: Churchill Livingstone, 2000.
JORM, A.F. Is depression a risk factor for dementia or eognitive decline? A review. Gerontology, 46:219-227,2000.
LIMA, J.S. Efeitos do treino de memória e da atividade física em portadores da doença de Alzheimer. 2007. 130 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.
MARTINO, L. Teorias da Comunicação: Conceitos, Escolas e tendências. 5 . ed. Petrópolis: Vozes, 2005.
NÓBREGA, M. Comunicação escrita: Contribuição para a elaboração de material educativo em saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Volume 56 Brasília, 2003.
OLIVEIRA, A. A. A demência de Alzheimer e os idosos: Investigacao sobre conhecimento, prevenção e percepção. Special Edition – ARTICLE I: Pontifícia Universidade Católica (PUC), São Paulo, Volume 82, p. 1-5, 2012.
OLIVEIRA, M. Doença de Alzheimer – Perfil neuropsicológico e Tratamen to. 21 folhas. Trabalho de Licenciatura - Universidade Lusíada do Porto, abril, 2005.
OLIVEIRA, M.S. Saúde da mulher na imprensa brasileira. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, 2008.
PEREIRA, J. Projeto de Indicação nº 22/06. Disponível em: http://www.al.ce.gov.br /legislativo/ tramitando/body/pi22_06.htm Acesso 03/08
PODEWILS, L.J. APOE genotype and dementiarisk: findings from the cardiovascular health cognition study. American journal of epidemiology, 161(7): 639-651, 2005.
RAMONET, I. Propagandas silenciosas: massas, televisão, cinema. Petrópoles,RJ: Vozes, 2002 GUARESCHI, Pedrinho A. . Psicologia, Subjetividade e Mídia. In: FURTADO, Odair. (Org.). II Seminário de Psicologia e Direitos Humanos - Compromissos e comprometimentos da psicologia. Recife: Ed. Universitária, 2004, v. 1, p. 29-34.
RIANI, R. Mídia saúde, saúde na mídia. Caderno Mídia e saúde pública. Escola de Saúde Pública de Minas Gerais, 2006, pág. 5.
SANTAELLA, L. Cultura das mídias. 3. ed. São Paulo: Experimento, 2003.
SCHMIDT, C. Folkcomunicação: estado do conhecimento sobre a disciplina, Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, Intercom, São Paulo; 2008.
SKOOG, I. Vascular factors and Alzheimer disease. Alzheimer disease and associated disorders, 13 (3):S106-114, 1999.
TYAS, S.L. Risk factors for Alzheimer's disease: a populational-based, longitudinal study in Manitoba, Canada. International Epidemiological Association, 30: 590-597, 2001.
XAVIER, C. Mídia saúde, saúde na mídia. Caderno Mídia e saúde pública. Escola de Saúde Pública de Minas Gerais, 2006, pag. 43.
Publicado
2017-04-18
Como Citar
ALVES, Palomma da Silva et al. Folkcomunicação e informações sobre o Alzheimer no Brasil: diálogos interdisciplinares e perspectivas deiIncremento na Saúde Pública. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/56>. Acesso em: 18 nov. 2017.
Seção
GT 5 - Cidadania e sustentabilidade ambiental, social e cultural