Hortas Rurbanas: agente folkcomunicacional que atua no campo contribui para melhoria do meio ambiente nas grandes cidades

  • Sonia Regina Soares da Cunha

Resumo

Este artigo apresenta um estudo sobre a horta rurbana a partir do viés teórico e metodológico da teoria Beltraniana da Folkcomunicação. O recorte empírico trabalha sobre exemplos de diferentes práticas de uma agricultura praticada em pequenos espaços urbanos, e busca compreender analiticamente os possíveis impactos econômicos, sociais e ambientais no cotidiano rurbanizado do agente social, individual e coletivamente. O saber popular oral e a experiência prática dos agentes do campo, que conhecem os segredos de cultivar a terra, tanto no campo como na cidade, são a expressão da comunicação ‗folkcomunicacional‘, de quem vive a vida na periferia e adquire na prática com a natureza o conhecimento necessário para produzir o alimento para a própria subsistência. É a estratégia e o mecanismo do saber popular, vivenciado e comunicado oralmente através do agente folkcomunicacional que vive no interior, longe das cidades, sendo apropriado e utilizado no discurso hegemônico da elite urbana, como ferramenta para difusão de políticas públicas em prol da melhoria da qualidade de vida, exercício de cidadania e inclusão social do cidadão.

Biografia do autor

Sonia Regina Soares da Cunha

Doutoranda em Comunicação pela Universidade de São Paulo. 

Referências

BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: Teoria e Metodologia. São Bernardo do Campo: UMESP, 2004.
FIGUEIREDO, Adma Hamam (org.) Brasil: uma visão geográfica e ambiental no início do século XXI. RJ: IBGE, Coordenação de Geografia, 2016, 435 p.
FREYRE, G. Rurbanização: o que é? Recife: Ed. Massangana, 1982.
GALPIN, Charles Josiah. Rural Life. New York: The Century Co, 1918.
GOBBI, M. C. Gêneros e formatos: a web como Espaço legitimado da Folkcomunicação. In: ANAIS da XV Conferência Brasileira de Folkcomunicação (Festas juninas na era digital: da roça à rede), Campina Grande: PB, junho de 2012.
HAESBAERT, R. Região, diversidade territorial e globalização. In: GEOgraphia, Ano1 – No 1 – 1999. Disponível em: http://www.uff.br/geographia/ojs/index.php/geographia Acesso em: 02 abril 2017 HOHLFELDT, A. Novas Tendências nas pesquisas da folkcomunicação: pesquisas acadêmicas se aproximam dos estudos culturais. In: PCLA, v. 4, n. 2, jan-mar/2003. HOLLING, C. S. 1973. Resilience and stability of ecological systems. In: Annu Rev Ecol Syst 4:1-23, 1973.
LERNER, J. Comunidades Rurbanas: uma reforma agrária viável. In: Expresso, House Organ, Prefeitura Curitiba, nº 8, out. 1980.
MARQUES DE MELO, J. Taxionomia da Folkcomunicação: gêneros, formatos e tipos. In: ANAIS do XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Rio de Janeiro: INTERCOM/UERJ, setembro de 2005.
Painel de Alto Nível do Secretário-Geral das Nações Unidas sobre Sustentabilidade Global. Povos Resilientes, Planeta Resiliente: um Futuro Digno de Escolha. Nova York: Nações Unidas, 2012.
PETRESCU, D.; PETCOU, C.; BAIBARAC, C. Co-producing commons-based resilience: lessons from R-Urban. In: Building Research & Information, 44:7, 2016. p. 717-736.
SCHMIDT, Cristina Folkcomunicação: uma metodologia participante e transdisciplinar. In: Revista Internacional de Folkcomunicação, nº 3, 2004, SP: Cátedra Unesco/UMESP. 7ª Conferência Brasileira de Folkcomunicação, p.1-8.
SILVA, José Graziano da; DEL GROSSI, Mauro Eduardo; DE FRANÇA, Caio Galvão. (orgs.). (2010) Fome Zero: A experiência brasileira. Brasília : MDA, 2010.
VELTZ, P. Zonas, polos, redes: la economia de archipiélago. In: Mundialización, Ciudades y Territorios. Barcelona: Ariel, 1999. p. 53-65.
Publicado
2017-04-18
Como Citar
CUNHA, Sonia Regina Soares da. Hortas Rurbanas: agente folkcomunicacional que atua no campo contribui para melhoria do meio ambiente nas grandes cidades. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/61>. Acesso em: 23 nov. 2017.
Seção
GT 5 - Cidadania e sustentabilidade ambiental, social e cultural