Da lama ao caos: pesca artesanal e a interrupção de uma cultura transgeracional

  • Maria Luiza Rodrigues Dantas

Resumo

Neste artigo será apresentado o episódio ocorrido no Rio Doce, a qual a partir do rompimento da barragem do Fundão deu-se o início a diversos impactos ambientais de grandes proporções. Diante disso, será observado o impacto na pesca artesanal, que foi proibida com objetivo de propiciar a repovoamento da fauna marinha nessa região e como essa comunidade teve sua cultura brutalmente interrompida. Apresentando, por fim, a necessidade de responsabilização socioambiental da empresa, partindo do pressuposto de que a empresa tinha um dever obrigacional de prevenção da atividade econômica a qual efetuava.

Biografia do autor

Maria Luiza Rodrigues Dantas

Graduanda do curso de Direito da UPE – Campus Arcoverde, integrante do grupo de pesquisa “Direitos Fundamentais e Meio Ambiente”. 

Referências

BRASIL. Ação Civil do Ministério Público Federal. Disponível em: Acesso em: 15 de abril de 2017.
________. Ação Civil da AGU, Espirito Santo e Minas Gerais Contra Samarco. Disponível em: Acesso em: 14 de abril de 2017.
________. Lei nº 11.959, de 29 de junho de 2009. Disponível em: Acesso em: 13 de abril de 2017.
BELCHIOR, Germana Parente Neiva. Epistemológicos do Direito Ambiental. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Jurídicas, Programa de Pós-Graduação em Direito, Florianópolis, 2015. Disponível em: Acesso em: 15 de abril de 2017.
___________. PRIMO, Diego de Alencar Salazar. A responsabilidade civil por dano ambiental e o caso Samarco: desafios à luz do paradigma da sociedade de risco e da complexidade ambiental. Revista Jurídica da UNI7, [S.l.], v. 13, n. 1, fev. 2016. ISSN 2447-9055. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2017.
CÂMARA NOTÍCIAS. Debatedores: prejuízos da tragédia de Mariana devem ser pagos pela Samarco, e não pelo FGTS das vítimas. Abril de 2015. Disponível em: Acesso em: 13 de abril de 2017
COSTA FILHO, Venceslau Tavares. A cláusula geral de responsabilidade objetiva do Código Civil de 2002. Atualidades Jurídicas – Revista eletrônica da Conselho Federal da OAB, n. 11 (Janeiro a Março de 2011). Brasília: OAB editora. Disponível em: http://www.oab.org.br/editora/revista/Revista_11/pageflip.html Acesso em: 13 de abril de 2017.
DIEGUES, A. C. Diversidade biológica e culturas tradicionais litorâneas: O caso das comunidades caiçaras. São Paulo, 1988. NUPAUB-USP. Disponível em: Acesso em: 14 de abril de 2017.
DOUGLAS, Mary. Pureza e Perigo: ensaio sobre as noções de poluição e tabu. Rio de janeiro, Edições 70. Disponível em: Acesso em: 13 de abril de 2017
FERRER, Luis Gabriel, FERRER, Jesús Guillermo. El problema de la fundamentación filosófica de los derechos de las generaciones futuras. Anuario Mexicano de Derecho Internacional, vol. VIII, 2008.
HAMMERSCHMIDT, Denise. O risco na sociedade contemporânea e o princípio da precaução no direito ambiental. Revista Sequência, n.º 45, p. 97-122, dezembro de 2002. Disponível em: Acesso em: 13 de abril de 2017.
MARQUES, Clarissa. Meio ambiente, solidariedade e futuras gerações. Nomos: Revista do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFC. Fortaleza, 2012. Disponível em: Acesso em: 13 de abril de 2017>
___________. When the future becomes the present of the environmental crisis: the jurisprudence of the brazilian supreme court and the future dimension of the right to the environment. Revista Direito da Cidade, vol. 8, nº2. pp.704-728. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: < http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/rdc/article/view/22367> Acesso em: 13 de abril de 2017.
__________. Por uma compreensão da crise ambiental e do paradigma do risco. Revista Caderno de Relações Internacionais, vol. 4, nº 7, jul-dez. 2013. Disponível em: Acesso em: 13 de abril de 2017
_________. CAMPOS, Ingrid Zanella Andrade. Um desafio para os princípios ambientais internacionais: a proteção do futuro. Caderno de Relações Internacionais, vol. 7, nº 13, ago-dez. 2016. Disponível em: Acesso em: 13 de abril de 2017
MINAS GERAIS. Relatório: Avaliação dos efeitos e desdobramentos do rompimento da Barragem de Fundão em Mariana-MG. Responsável: Grupo da Força-Tarefa, Decreto nº 46.892/2015. Disponível em: Acesso em> 14 de abril de 2017.
VIANA, João Paulo. Os pescadores da bacia do Rio Doce: subsídios para a mitigação dos impactos socioambientais do desastre da Samarco em Mariana, Minas Gerais. IPEA, nota técnica nº 11. Brasília, maio de 2016. Disponível em: < repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/7261 > Acesso em: 13 de abril de 2017
ZANCANARO, Lourenço. O conceito de responsabilidade em Hans Jonas. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. São Paulo, 2009. Disponível em: . Acesso em: 21 março 2017.
Publicado
2017-04-18
Como Citar
DANTAS, Maria Luiza Rodrigues. Da lama ao caos: pesca artesanal e a interrupção de uma cultura transgeracional. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/62>. Acesso em: 23 set. 2017.
Seção
GT 5 - Cidadania e sustentabilidade ambiental, social e cultural