Cinza nos muros: gerenciamento da produção de grafite e criminalização da pichação na cidade de São Paulo

  • Júnia Martins

Resumo

Obras de arte e vandalismo; manifestos sociais e farras juvenis; expressões culturais e selos de território. Inscritos em espaços públicos ou privados, as pichações e os grafites dividem opiniões num cenário conflitante de concentração das mídias, proteção ao direito de propriedade privada, preservação do patrimônio público e exclusão social. Este artigo traça possibilidades de compreensão sociológica do grafite e da pichação na paisagem urbana, com circunscrição na cidade de São Paulo, onde o atual prefeito implantou o “Programa Cidade Linda”, que tem, entre suas ações, a intensificação da criminalização da pichação e o gerenciamento da produção de grafite. A construção do texto está balizada em pesquisa bibliográfica, com análise dialética e abordagem qualitativa.

Biografia do autor

Júnia Martins

Mestra em Comunicação (UFPB), Especialista em Leitura (UESB), Graduada em Rádio/TV (UESC). Diretora-Secretária da Rede Folkcom; Pesquisadora do Grupo de Pesquisa sobre o Cotidiano e o Jornalismo (GRUPECJ-UFPB).

Referências

ARAÚJO, Marianna; COUTINHO, Eduardo. Hip Hop: uma batida contrahegemônica na periferia da sociedade global. In: BORELLI, Silvia; FREIRE FILHO, João (Orgs.): Culturas juvenis no século XXI. São Paulo: Educ, 2008.
BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: um estudo dos agentes e dos meios populares de informação de fatos e expressões de ideias. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2001.
ENDO, Tatiana Sechler. A pintura rupestre da pré-história e o grafite dos novos tempos. 2009. Trabalho de Conclusão de Curso. Pós-graduação em Gestão de Projetos Culturais e Organização de Eventos - CELACC/ECA. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Orientação: Kátia Kodama.
FURTADO, Janaína Rocha; ZANELLA, Andréa Vieira. Graffiti e cidade: sentidos da intervenção urbana e o processo de constituição dos sujeitos. Revista Mal-estar e Subjetividade. Fortaleza. v.9, n.4, p.1279-1302, dez. 2009.
GUIDON, Niède; MARTIN, Gabriela. Arte global num único destino: a sobrevivência. In: Anais do Global Rock Art, 2009. São Raimundo Nonato-PI, 2010.
MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. 4ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.
PAIXÃO, Sandro José Cajé da. O meio é a paisagem: pixação e grafite como intervenções em São Paulo. 2011. Dissertação. (Mestrado em Estética e História da Arte) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Orientação: Artur Matuck.
PEREIRA, Thiago. Panorama da arte rupestre brasileira: o debate interdisciplinar. Revista de História da Arte e Arqueologia. Campinas-SP: Unicamp, ano 11, n. 16, p. 21-38, jul./dez. 2011. Disponível em: http://migre.me/wqa4o. Acesso em: 13 mar. 2017.
SANTOS, Felipe Caetano dos; SANTOS, Juvandi de Souza. Surgimento da arte pré-histórica e o seu desenvolvimento artístico. Revista Tarairiu. Campina Grande-PB, ano V, v. 1, n. 8, p. 43-50, ago. 2014. Disponível em: http://migre.me/wtqbz. Acesso em: 13 mar. 2017.
SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.
Publicado
2017-04-26
Como Citar
MARTINS, Júnia. Cinza nos muros: gerenciamento da produção de grafite e criminalização da pichação na cidade de São Paulo. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/69>. Acesso em: 20 set. 2017.
Seção
GT 5 - Cidadania e sustentabilidade ambiental, social e cultural