O Velho e o novo: uma crítica à preservação da memória urbana no Estatuto da Cidade sob o olhar do filme Aquarius

  • Aline Mendes

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar os instrumentos contidos no Estatuto da Cidade para promoção do desenvolvimento urbano sustentável, especificamente no que diz respeito à preservação da memória urbana e sua inserção entre os elementos constituintes do direito à cidade. Considerando o cinema como expressão artística reprodutora muitas vezes da realidade, foi adotado como objeto de estudo o filme Aquarius, cujo plano de fundo retrata o valor das memórias afetivas através do dever de resistência contra o modus operandi das grandes construtoras.

Biografia do autor

Aline Mendes

Graduanda em Direito pela Universidade de Pernambuco, integrante do grupo de pesquisa “Direitos Fundamentais e Meio Ambiente”.

Referências

AQUARIUS. Direção: Kleber Mendonça Filho. Produção: Emilie Lesclaux, Saïd Ben Saïd e Michel Merkt, 2016. Brasil.
ABREU, Maurício. 2001. Sobre a memória das cidades. In: Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, Portugal, v. XIV, p. 77-97.
BAUMAN, Zygmunt. 2009. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro, Zahar.
CARSALADE, Flávio de Lemos. 2009. A ética das intervenções.
ESTATUTO DA CIDADE (2001). Lei Federal.
FERNANDES, E. e RUGANI, J. M. (2002). Legislação Ambiental Brasileira: panorama geral e breve avaliação. In: Cidade, memória e legislação – a preservação do patrimônio na perspectiva do direito urbanístico. Belo Horizonte.
FREYRE, Gilberto. Rurbanização: que é? Recife. Editora Massangana.
HALBWACHS, Maurice. 1990. A memória coletiva. São Paulo, Vértice.
HARVEY, David. 1989. The condition of postmodernity. Oxlord, Basil Blackwell.
HARVEY, David. 2014. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo, Martins Fontes.
HARVEY, David. 2015. Espaços de esperança. São Paulo, Edições Loyola.
LEFEBVRE, Henri. 2001. O direito à cidade. São Paulo, Centauro.
LEFEBVRE, Henri. 2001. A revolução urbana, Belo Horizonte, UFMG.
LE GOFF, Jacques. 1990. História e memória. Campinas, Editora da Unicamp.
MACHADO, Lia Osório. 1995. Origens do pensamento geográfico no Brasil: meio
tropical, espaços vazios e a idéia de ordem. Rio de janeiro.
MARX, Karl. 2013. O Capital, livro 1, São Paulo, Boitempo.
PONTUAL, Fernando. 2012. Das convenções urbanas à lógica de monopólio da localização: Movimentos do mercado habitacional formal na produção, localização e segmentação do espaço da cidade do Recife. Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Urbano, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
Publicado
2017-04-18
Como Citar
MENDES, Aline. O Velho e o novo: uma crítica à preservação da memória urbana no Estatuto da Cidade sob o olhar do filme Aquarius. Anais da Conferência Brasileira de Folkcomunicação - Folkcom, [S.l.], n. XVIII, abr. 2017. ISSN 2236-2924. Disponível em: <http://anaisfolkcom.redefolkcom.org/index.php/folkcom/article/view/70>. Acesso em: 18 nov. 2017.
Seção
GT 5 - Cidadania e sustentabilidade ambiental, social e cultural